01/07/2015 11h07 Cotidiano

O brasileiro lê pouco. Como mudar essa realidade?

Deu no ESTADÃO: o brasileiro lê pouco. Muito pouco.

Nessa primeira semana de julho, quando o prefeito Carlos Eduardo confirma mais uma edição do Festival Literário de Natal e a FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty) começa, o assunto é latente. Mas por que o brasileiro permanece tão distante dos livros?

 

Acima, os tweets do prefeito de Natal confirmando atrações para o Festival Literário que rola em dezembro.

Em conversa com o jornal, o ministro Juca Ferreira classificou como "vergonha" o índice de leitura no país: 1,7 livro, em média, por ano.

"É uma média que está abaixo de países vizinhos. Muitos chegam à leitura pela periferia, com livros de autoajuda".

A senadora Fátima Bezerra (aqui do RN) é autora de um projeto de lei que institui uma Política Nacional do Livro e também a regulamentação de preços. O projeto, de um modo geral, propõe o fim de uma prática bastante comum no Brasil: a concessão de descontos na compra de livros. Isso, segundo representantes do mercado editorial e das livrarias, sufoca o setor. 
Com a proposta da senadora, livros recém-lançados passam a ter preços únicos durante 1 ano, com desconto máximo permitido de 10%, e passado esse prazo as promoções ficam liberadas.

Hoje o preço dos livros é determinado da seguinte maneira: o editor fixa um valor levando em consideração os custos de direito autoral e de produção. O que a senadora Fátima argumenta é que grandes redes editoriais possuem também grande poder de barganha e acabam negociando descontos muito altos em cima desses valores.

Países como França e Alemanha já adotaram medidas semelhantes e colheram bons resultados no que se refere ao aumento médio nas compras, uma vez que regulamentado os preços a faixa de valor permanece mais acessível.

A programação da FLIP - que vai até 5 de julho - você acompanha no www.flip.org.br 

Em Natal, o selo "Jovens Escribas" tem praticado descontos com livrarias e instituições parceiras. Na página facebook.com/jovensescribas é possível acompanhar as novidades e tabelas de descontos lançadas, além dos eventos do selo no RN e em todo o Brasil. O JE desenvolve, por exemplo, o "Ação Leitura", programa de formação de leitores muito produtivo.

Já a Biblioteca pública Câmara Cascudo, localizada na Rua Potengi, permanece fechada para reforma. A obra contempla um auditório modelado com capacidade para 100 lugares, uma galeria que vai receber exposições itinerantes; um café e uma sala voltada para o público infantil. O orçamento, recentemente revisado, está em avaliação no setor de controle e fiscalização do Ministério da Cultura.

Enquanto os assuntos caminham, a iniciativa privada dá alguns passos também no fomento à leitura. A drogaria Amadeus da Av. Hermes da Fonseca, por exemplo, está recebendo doações de livros para a biblioteca da Igreja Nossa Senhora de Fátima, na Zona Norte de Natal. ;)

Notícias Relacionadas

Sistema de multas agora será eletrônico no RN

Campus Party começa em Natal

Dia do Servidor Público do Detran RN é comemorado com atividades de saúde, bem-estar e beleza

Água e Indústria, uma difícil equação

Comentários