21/08/2015 11h08 - Atualizado em 21/08/2015 11h08 RN

IPHAN e PAC - Cidades Históricas irão reformar o Forte dos Reis Magos

Como muita gente sabe, o nosso Forte dos Reis Magos - pedra fundamental na construção da nossa cidade - não anda lá muito bem cuidado. Sucessivas gestões que o deixaram, digamos, fora da lista de prioridades acabaram levando a um estado de acúmulo de lixo entre outras intempéries típicas de monumentos esquecidos. Bom, mas ele é, com o perdão do termo, Forte. Atravessou séculos levando rajadas de vento, ondas e o que mais o tempo permitir. Balança, mas não cai. E agora receberá, graças ao PAC - Cidades Históricas (programa do Governo Federal) uma boa quantia em dinheiro para erguer-se e tornar-se o que é: lindo, gigante e brilhante.

A superintendente do Iphan-RN, Andrea Costa, e o chefe de Gabinete da Presidência do Iphan, Rony Oliveira, receberam na última quinta, 20, o ministro do turismo e ressaltaram os investimentos do Instituto para a recuperação do Forte e reafirmaram o desejo de se estabelecer parcerias. A proposta de parceria deverá ser avaliada em conjunto com Superintendência do Patrimônio da União (SPU), detentora do Forte, considerando também a previsão de obras de restauração a cargo do Iphan. A previsão para início das obras é entre o final de 2015 e início de 2016.

O Forte dos Reis Magos, um dos monumentos mais importantes do Estado do Rio Grande do Norte, passou à administração do Iphan em dezembro de 2013 com o objetivo de garantir a sua restauração completa, devolvendo à comunidade e aos milhares de turistas que visitam Natal, um equipamento totalmente recuperado e acessível, com melhores condições de uso e preservação e devidamente adaptado ao uso turístico, educativo e cultural. Dentro deste contexto, a Restauração do Forte dos Reis Magos foi contemplada pelo Programa PAC Cidades Históricas, do Governo Federal, e receberá investimentos em torno de R$ 9 milhões.

A fortificação - conhecida como Forte dos Reis Magos - possivelmente teve sua construção iniciada apenas em 1603. Em 1630, era mencionada como totalmente concluída, na sua forma atual. Acredita-se que seu projeto e os acréscimos posteriores, sejam de autoria do engenheiro-mor do Brasil, Francisco de Frias Mesquita. De 1634 a 1654, esteve sob o domínio holandês, chamando-se Castelo Ceulen. Ao longo dos seculos as condições do Forte se deterioraram e não houve nenhuma modernização ou ampliação de sua artilharia.

Em 1894, o Forte dos Reis Magos deixou de ser considerado um elemento defensivo para o Exército e foi desativado em 1904, mas chegou a ser usado durante a 1ª Guerra Mundial. Passou para a guarda da Marinha no início do século XX, quando ocorreu a instalação de um farol que funcionou, também, como morada do faroleiro e sua família. Após sofrer um grave processo de degradação, o Forte foi tombado pelo Iphan, em 1949, e restaurado entre 1953 e 1958.

Na década de 1960, passou a ser administrado pela Fundação José Augusto/Governo Estadual do Rio Grande do Norte. Em 2013, retornou à jurisdição do Iphan, que realizou pesquisa arqueológica e histórica. Está em andamento a elaboração do projeto de restauro, para restauração da edificação e preservação de um dos bens culturais mais expressivos do Brasil, permitindo sua apropriação pela sociedade.

Notícias Relacionadas

RN

Hora da prova

RN

Mais de 60 postos no RN já comercializam GNV

RN

Projeto ‘Educação de Trânsito nas Escolas’ chega a mais cidades potiguares

RN

Meeting Brasil

Comentários